Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

quarta-feira, 20 de maio de 2020

Aberto Prazo Para Propostas De Organização Do Concurso Do Senado


BSPF     -     20/05/2020

Comissão examinadora do concurso receberá em até oito dias propostas de instituições que pretendem realizar o certame 

As instituições interessadas em organizar o concurso público do Senado Federal têm oito dias para apresentar suas propostas à comissão examinadora do certame, conforme o aviso de chamamento público publicado nessa segunda-feira (18) no Diário Oficial da União. Segundo o presidente da comissão, Roberci Ribeiro de Araújo, que assinou o aviso, as informações recebidas permitirão ao Senado identificar o quanto vai custar o concurso, o valor da inscrição e as características da instituição a ser contratada. 

— Esse é um procedimento interno de instrução da contratação O intuito é identificar o preço médio e, com base nos aspectos técnicos jurídicos, econômicos, financeiros, fiscais e trabalhistas, saber quais instituições demonstram melhores condições de executar o concurso — explicou Roberci. 

De acordo com o servidor, a comissão trabalha com a perspectiva de que a contratação se efetive até junho. Mas não é possível ainda, segundo o presidente da comissão, lançar o edital devido à crise sanitária por que passa o país provocada pela covid-19. Há também, ressalta ele, a tramitação interna do processo de contratação. 

— Depois que conseguir o valor e identificar a instituição a ser contratada, terá o trâmite ordinário de contratação da Casa. É preciso submeter a proposta ao Comitê de Contratação, à Diretoria-Geral e à avaliação da Primeira-Secretaria e do presidente do Senado. Têm ainda uns caminhos até anunciar quando o edital sairá — informou. 

Este ano

De qualquer maneira, segundo Roberci Araújo, o ideal seria o concurso ser concluído este ano, pois a lei orçamentária é anual e contempla a nomeação dos 40 aprovados ainda em 2020. E não há como prever, acrescenta o servidor, como será o Orçamento do próximo ano. É possível, também, segundo afirma ele, estabelecer as condições que garantam o distanciamento entre os candidatos durante a realização das provas. 

— Talvez você tenha que estabelecer critérios, como menos pessoas nas salas e intervalo maior entre as cadeiras. O Senado tem hoje uma demanda de pessoal muito grande — afirma Roberci. 

O concurso do Senado abrirá 40 vagas para a Casa. Do total, 24 são de nível médio para a função de policial legislativo. As demais, de nível superior, são para advogado do Senado e cargos de analista legislativo, nas especialidades de administração, arquivologia, assistência social, contabilidade, enfermagem, informática legislativa, processo legislativo, registro e redação parlamentar, engenharia do trabalho e engenharia eletrônica e telecomunicações. 

Fonte: Agência Senado

Live Na Quinta Debaterá Comportamento Do Governo Bolsonaro Com Servidores


Congresso em Foco     -     20/05/2020
A pandemia de covid-19 amplificou o debate sobre a importância do serviço público no país. Para o presidente da Federação Brasileira de Associações de Fiscais de Tributos Estaduais (Febrafite), Rodrigo Spada, a razão de existir do servidor público é justamente servir. "A natureza do trabalho do funcionário público, por mais que possa parecer óbvio, é servir a sociedade que o emprega e remunera", afirmou. 

Em meio a esse cenário, o ministro da Economia, Paulo Guedes, tem dito frases a respeito do serviço público que têm ofendido o funcionalismo. Na última sexta-feira (15), por exemplo, Guedes afirmou que os servidores estão "subindo em cadáveres" para fazer as vítimas fatais da covid-19 de palanque. No início do ano, o ministro comparou os servidores públicos a...


Ministro Nega Liminar Contra Alíquota Previdenciária Progressiva Para Servidores Públicos


BSPF     -     19/05/2020

O ministro Luís Roberto Barroso, do Supremo Tribunal Federal (STF), indeferiu pedido de medida liminar em cinco Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) que questionam a progressividade das alíquotas de contribuição previdenciária dos servidores públicos, introduzida pela Reforma da Previdência (Emenda Constitucional 103/2019). O ministro explicou que, como não foi verificada, em princípio, a inconstitucionalidade desses dispositivos, eles devem ser considerados “válidos, vigentes e eficazes” até que o STF examine definitivamente a questão, para evitar decisões judiciais discrepantes em outras instâncias do Judiciário. 

O ministro é o relator das Ações Diretas de Inconstitucionalidade (ADIs) 6254, 6255, 6258, 6271 e 6367, ajuizadas, respectivamente, pela Associação Nacional das Defensoras e Defensores Públicos (Anadep), pela Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB), pela Associação dos Juízes Federais do Brasil (Ajufe), pela Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal do Brasil (Anfip) e pela Associação Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Unafisco). A decisão será submetida a referendo do Plenário. 

Em nome da segurança jurídica, o ministro disse que aplicou o rito abreviado (artigo 12 da Lei 9.868/99) à tramitação dessas ações, para permitir que sejam julgadas diretamente no mérito. No entanto, como algumas categorias vêm sendo beneficiadas por decisões de instâncias inferiores e outras não, podendo levar a soluções judiciais discrepantes e anti-isonômicas, ele considerou necessário se manifestar, especificamente, sobre a progressividade das alíquotas. 

De acordo com o ministro Barroso, não se verificou, de imediato, inconstitucionalidade dos artigos da EC 103/2019 referentes à matéria. Segundo ele, a presunção de legitimidade dos atos normativos emanados do Estado é reforçada quando se trata de emenda à Constituição, cujo controle de legalidade pelo Judiciário só é possível quando há afronta a cláusula pétrea. “Em juízo cognitivo sumário, próprio das medidas cautelares, não vislumbro ser este o caso relativamente a esse ponto”, afirma o relator. 

O relator assinalou que os dispositivos questionados (o artigo 1º, que altera o artigo 149, parágrafo 1º da Constituição, e o artigo 11, caput, parágrafos 1º, incisos IV a VIII, 2º e 4º, da emenda) são considerados constitucionais e, portanto, válidos, vigentes e eficazes. Barroso esclareceu ainda que a decisão se refere apenas à questão da progressividade das alíquotas de contribuição previdenciária dos servidores públicos.

Fonte: Assessoria de Imprensa do STF

Governo Exonera Delegados Da Polícia Federal Em Cargos De Chefia


Metrópoles     -     19/05/2020
Houve mudanças na Coordenação de Repressão à Lavagem de Dinheiro e na Delegacia de Defesa Institucional em Pernambuco

No centro de uma crise política, o Ministério da Justiça e da Segurança Pública mexeu na estrutura organizacional da Polícia Federal. alguns delegados foram dispensados de cargos de chefia nesta terça-feira (19/05).

Um dos exemplos é o caso da delegada de Polícia Federal Juliana Ferrer Teixeira. Ela foi exonerada do cargo de coordenadora de Repressão à Lavagem de Dinheiro da Coordenação-Geral de Repressão à Corrupção e Lavagem de Dinheiro da Diretoria de Investigação e Combate ao Crime Organizado da Polícia Federal.

Outra mudança ocorreu em Pernambuco. O delegado Cláudio Farias de Almeida foi dispensado da função de chefe da Delegacia de Defesa Institucional. Ele foi substituído pela delegada Adriana Albuquerque de Vasconcelos. 

As mudanças na corporação foram publicadas nesta terça-feira, no Diário Oficial da União (DOU). As portarias são assinadas pelo...


Reformas Administrativa E Previdenciária Podem Voltar À Agenda

BSPF     -     19/05/2020
O argumento para a retomada dessa agenda de ajuste fiscal sobre os servidores será o de que a pandemia provocou recessão na economia e perda de arrecadação, o que exigiria um forte corte de despesas para equilibrar as contas públicas.

O presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ), voltou a defender a votação da reforma administrativa e uma “revisita” aos temas previdenciários, desta vez para rever as regras de transição. E cobrou do governo Bolsonaro o envio da reforma administrativa, que foi prometida pelo presidente para as próximas semanas. 

A visão do presidente da Câmara é de que a reforma da previdência foi insuficiente porque teria atingido apenas os futuros servidores, defendo uma nova reforma para alcançar também os atuais servidores, protegidos pela regra de transição. 

O presidente da República declarou que enviará a reforma administrativa nas próximas semanas e o ministro da economia, que em passado recente chamou os servidores públicos de “parasitas”, voltou novamente suas baterias contra o funcionalismo, desta vez acusando-os de querer “assaltar” o Brasil com pedidos de reajustes.

Essas manifestações não ocorrem por acaso. Há claramente uma articulação entre os presidentes das Casas do Congresso e o governo Bolsonaro, mediada pelo ministro da Economia, para retomar a votação das PECs 186 e 188, além da reforma administrativa e de uma nova reforma da previdência. 

Sobre a posição do presidente da Câmara e do ministro da Economia pelo ajuste sobre os servidores ninguém tinha dúvida. E se havia alguma dúvida sobre o posicionamento do presidente do Senado, a iniciativa dele de incluir a suspensão de reajuste e a proibição de retroatividade de reajuste, bem como a proibição de parcelamento desses reajustes com parcelas em mandato subsequente dos chefes de Poder, essa dúvida se desfez. 

O argumento para a retomada dessa agenda de ajuste fiscal sobre os servidores, além da alegação de que a previdência dos servidores e os salários do funcionalismo são as duas maiores despesas da União – excluem a conta de juros – será o de que a pandemia provocou recessão na economia e perda de arrecadação, o que exigiria um forte corte de despesas para equilibrar as contas públicas.

A ideia veio de fora para dentro. O Banco Mundial, que há muito tempo defende essas reformas em bases neoliberais – especialmente a previdenciária e administrativa – passou a defender também a redução do “prêmio” salarial do servidor público brasileiro, ou seja, as pretensas diferenças salariais a favor do servidor, quando comparado com o setor privado, propostas que foram compradas por alguns burocratas e por autoridades dos três poderes, numa perseguição inexplicável contra os servidores e o serviço público. 

Sobre a questão salarial, é preciso registrar que a trajetória remuneratória dos servidores públicos esteve mais no vale do que de pico. E com o congelamento até 2021 – depois das perdas acumuladas, da ausência de reajuste em 2019 e 2020, e do aumento da contribuição previdenciária – ficará no vale por muitos anos ou até mesmo para sempre, especialmente se adotarem a contribuição extraordinária para os regimes próprio e fizerem a reforma administrativa para reduzir direitos. 

Parece inacreditável essa fúria contra o principal agente do Estado – o servidor púbico – que mais do que nunca tem demonstrado o seu valor nesse período de pandemia, garantindo o funcionamento da máquina pública e viabilizando as condições para salvar vidas. Isso não se limita apenas a desprezo para com os servidores, vai mais longe e atende pelo nome de interesse. Ou seja, os defensores dessa agenda certamente estão a serviço de segmentos que lucrariam com a redução, a flexibilização ou a eliminação da participação direta do Estado na prestação de serviços, no fornecimento de bens e no provimento de programas sociais.

Por Antônio Augusto de Queiroz - Jornalista, analista e consultor político, diretor de Documentação licenciado do Diap e Sócio-Diretor das empresas “Queiroz Assessoria em Relações Institucionais e Governamentais” e “Diálogo Institucional Assessoria e Análise de Políticas Públicas”.

Fonte: Portal Vermelho

Policiais Para Guedes: “Quem Se Furta À Responsabilidade Sobe Em Cadáveres”

Congresso em Foco     -     19/05/2020

O ministro da Economia, Paulo Guedes, se envolveu em uma nova polêmica com os servidores públicos. Na última sexta-feira (15), ao falar sobre reajustes salariais ao funcionalismo público, o ministro pediu para que os servidores não assaltassem os cofres públicos. “É inaceitável que tentem saquear o gigante que está no chão, que usem a desculpa para saquear o Brasil”, afirmou Guedes. A Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef) emitiu nota, nesta segunda (18), repudiando a fala do ministro.
Paulo Guedes é contrário ao aumento de salário para médicos e policiais, que estão na linha de frente do combate à covid-19. “Nós queremos saber o que podemos fazer de sacrifício pelo Brasil nessa hora. E não o que o Brasil pode fazer por nós. E as medalhas são dadas após a guerra, não antes da guerra. Nossos heróis não são mercenários. Que história é essa de pedir aumento de salário porque um policial vai à rua exercer a sua função, ou porque um médico vai à rua exercer a sua função?”, questionou o ministro.
A Fenapef repudiou “veementemente” a fala do ministro Paulo Guedes. “O ministro da Economia comparou os servidores públicos a ‘assaltantes’ e...

Governo Vai Usar Alexa, Da Amazon, Para Informar Sobre Serviços Digitais


BSPF     -     18/05/2020
Economia e Amazon a

ssinam acordo para promoção de serviços públicos digitais

Parceria permite que dispositivo Alexa forneça informações em português baseadas no portal Gov.Br

Ministério da Economia, por meio da Secretaria de Governo Digital, assinou acordo com a empresa de tecnologia Amazon para oferecer aos usuários de serviços públicos mais um canal de acesso a informações do governo federal. Por meio do equipamento Alexa, dispositivo de voz baseado em nuvem, agora é possível saber, por exemplo, como tirar as carteiras digitais de trabalho e de trânsito, ou obter informações sobre o auxílio emergencial e sobre prevenção contra o novo coronavírus. O estabelecimento de acordos com grandes empresas da área de tecnologia faz parte das ações do Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19. 

A intenção da parceria é melhorar a experiência dos cidadãos no acesso a informações sobre serviços públicos digitais no país. Desse modo, o dispositivo de inteligência artificial Alexa, lançado em 2019 no Brasil, contribui com a iniciativa e agora passa a oferecer conteúdos oficiais de interesse da sociedade, proporcionando conveniência e comodidade aos usuários. 

O equipamento responde a uma série de perguntas de interesse público, com base no Gov.Br, o portal de serviços públicos do governo federal. Por meio da Alexa, as pessoas podem obter orientações certificadas caso precisem acessar alguns serviços públicos. 

Neste primeiro momento, o dispositivo responde as seguintes perguntas:

- Alexa, existe um aplicativo do governo sobre coronavírus?

- Alexa, como solicitar a carteira de trabalho?

- Alexa, como posso obter a carteira de motorista digital?

- Alexa, como solicitar o seguro desemprego?

- Alexa, como posso me inscrever no Cadastro Único?

- Alexa, como gerar o comprovante da inscrição do Cadastro Único?

- Alexa, como posso me inscrever no auxílio do coronavírus? 

O acordo de cooperação é válido por um ano, podendo ser prorrogado. Os compromissos e obrigações estabelecidos não geram custos para a administração pública. 

“Hoje, temos digitalizados 56% dos 3,5 mil serviços ofertados no portal Gov.Br. A meta é chegar em 2022 com todos eles digitais. Contar com o apoio de uma grande empresa como a Amazon é de extrema importância para divulgar essas informações para um número maior de pessoas”, afirma Luis Felipe Monteiro, secretário de Governo Digital. “O acesso às informações sobre serviços on-line, sem sair de casa, por meio da Alexa, também vai evitar deslocamentos desnecessários nesse período de pandemia. Queremos fortalecer ainda mais essa parceria”, completa. 

“A Amazon trabalha continuamente para que a Alexa ofereça o máximo de informações de modo rápido e fácil para os clientes e, neste momento, este acordo de cooperação técnica ajuda cidadãos a ter acesso a informações oficiais”, diz Ricardo Garrido, diretor da empresa. 

Comitê de Crise 

Com o objetivo de traçar estratégias e coordenar ações de enfrentamento ao novo coronavírus, o governo federal criou em março o Comitê de Crise para Supervisão e Monitoramento dos Impactos da Covid-19, coordenado pela Casa Civil da Presidência da República. 

No âmbito desse colegiado, também foi instituído o Grupo de Trabalho para a Coordenação de Ações Estratégicas de Tecnologia da Informação. Coube à Secretaria de Governo Digital a responsabilidade de coordenar as ações do referido GT. 

A intenção é articular e coordenar ações, em conjunto com diversos segmentos da sociedade, para apoiar o desenvolvimento de iniciativas suportadas pelas Tecnologias da Informação e Comunicações (TIC) e que possam agregar valor aos trabalhos do comitê de crise. O acordo do Ministério da Economia com a Amazon é um dos resultados do grupo.

Com informações do Ministério da Economia

STF Recebe Nova Ação Contra Limitação Da Responsabilização De Agentes Públicos Maio 18, 2020


BSPF     -     18/05/2020
O Partido Democrático Trabalhista (PDT) ajuizou, no Supremo Tribunal Federal (STF), a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 6428, em que contesta normas federais que restringem a possibilidade de responsabilização dos agentes públicos. A ação foi distribuída, por prevenção, ao ministro Luís Roberto Barroso, relator de outras ADIs sobre a mesma matéria. 

As normas questionadas são a Medida Provisoria (MP) 966/2020 e o artigo 28 do Decreto-Lei 4.657/1942, com redação dada pela Lei 13.655/2018. A MP prevê que os agentes públicos somente poderão ser responsabilizados nas esferas civil e administrativa se agirem ou se omitirem com dolo ou erro grosseiro pela prática de atos relacionados com as medidas de enfrentamento da emergência de saúde pública e de combate aos efeitos econômicos e sociais decorrentes da pandemia. O dispositivo do decreto-lei, alterado pela Lei 13.655/2018, estabelece a mesma restrição, mas de forma geral. 

O partido sustenta, entre outros pontos, que tanto a MP quanto o dispositivo do decreto-lei suprimem do Poder Judiciário a capacidade de fornecer proteção efetiva contra lesão ou ameaça a direito, infringindo a independência entre os Poderes (artigo 2º da Constituição Federal). Ainda segundo o PDT, a MP não observa o artigo 37, parágrafo 6º da Constituição, que consagra expressamente a responsabilidade civil dos agentes públicos no caso de dolo ou culpa, sem distinções de qualquer espécie. 

De acordo com o partido, a norma, ao encurtas a responsabilidade dos agentes públicos só para os casos de dolo ou culpa grave, acaba por excluir os ilícitos e os danos causados por culpa leve ou levíssima, o que pode resultar na impunidade. Outro ponto questionado é a vagueza do texto normativo na definição do que configuraria “erro grosseiro”.

Fonte: Assessoria de Imprensa do STF

Gratificação Temporária: Economia Fortalece Órgãos Que Atuam Na Modernização Da Gestão Pública

Ministério da Economia     -     18/05/2020
Foram prior

izados órgãos da administração direta que aderiram ao TransformaGov

Ministério da Economia fez uma nova distribuição da Gratificação Temporária das Unidades dos Sistemas Estruturadores da Administração Pública Federal (GSISTE) no âmbito do Sistema de Organização e Inovação Institucional (Siorg). A Portaria nº 12.373, publicada nesta segunda-feira (18/5), tem o objetivo de fortalecer os órgãos setoriais do sistema, priorizando as instituições públicas da administração direta que aderiram ao Programa de Gestão Estratégica e Transformação do Estado (TransformaGov). 

A norma também adequa o quantitativo de GSISTE ao estabelecido no Decreto nº 10.334/2020. “Este movimento está inserido em um processo maior de reorganização da distribuição dessas gratificações nos sistemas sob nossa gestão. Queremos fortalecer os órgãos setoriais para termos políticas públicas mais fortes na modernização institucional, e também nas contratações públicas”, afirma o secretário de Gestão do ME, Cristiano Heckert. 

Segundo o secretário, a medida não gera aumento de despesa. De acordo com a Lei nº 11.356/2006, somente servidores públicos efetivos podem receber a GSISTE. Ainda segundo a lei, existe um limite remuneratório para o recebimento desta gratificação, que não pode ultrapassar os valores máximos estabelecidos. Nesse caso, ficam excluídas as vantagens pessoais e o valor pelo exercício de cargo ou função comissionada, conforme o estabelecido no artigo 16 da lei. “Queremos que os órgãos selecionem servidores qualificados para...



Trabalho Remoto: Funcionalismo Deve Levar Discussão Ao Judiciário

BSPF     -     17/05/2020
Diante da insistência de órgãos do governo federal pela retomada das atividades presenciais, neste momento de crescente número de óbitos pela Covid-19, representações do funcionalismo prometem uma reação, caso não ocorra um recuo nessas iniciativas. Depois de tecerem duras críticas à postura da Administração, servidores devem levar a discussão ao Judiciário. 

Em entrevista a O Estado de São Paulo nesta quinta-feira, 14 de maio, o presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, afirmou que as entidades de classe “vão para o Judiciário levar os argumentos técnicos da Organização Mundial de Saúde e da Fiocruz”. 

Marques destacou, ainda, a dificuldade para desenvolver tratativas junto ao Executivo, haja vista a postura adotada pelo presidente da República em relação à pandemia e às restrições à circulação de pessoas. “O presidente está forçando o caráter simbólico do retorno. Ele quer dizer que está tudo normal e não tem motivo para não voltar a frequentar o trabalho, estádios, shoppings”, observou. 

Também em entrevista ao veículo, a advogada Larissa Benevides, do escritório Torreão Braz, que assessora o Fonacate, informou que a ação coletiva já está em produção. 

Vale destacar que a saída do ministro da Saúde, Nelson Teich, nesta sexta-feira, 15, pode ser mais um indício da prevalência do discurso político sobre o caráter técnico-científico no governo e, como reflexo, implicar em uma aceleração do retorno às atividades presenciais. 

O Sinal (Sindicato Nacional dos Funcionários do Banco Central) segue defendendo enfaticamente a continuidade do trabalho remoto, de comprovada eficácia no enfrentamento à disseminação do Coronavírus.

Fonte: Sinal

Federação Repudia Fala De Guedes, Que Comparou Servidores A “Assaltantes”

Metrópoles     -     17/05/2020
Representante de Policiais Rodoviários Federais afirmou que sentimento da categoria é de "injustiça" após as declarações do ministro
O presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Deolindo Carniel, repudiou, neste sábado (16/05), declaração do ministro da Economia, Paulo Guedes, que afirmou que a blindagem a certas categorias de reajustes salariais, no contexto do auxílio aos estados, era tentativa de “saquear” o Estado. “Sentimento é de injustiça com o trabalho que a segurança e a saúde estão realizando neste momento”, disse ele ao Metrópoles.
A entidade que Carniel representa também emitiu nota sobre a fala do ministro, feita na última sexta-feira (15/05). “Trata-se de uma afronta à dignidade pessoal de todas as categorias”, afirma o documento. 
“Qual o limite do escárnio, do desrespeito e da covardia desse senhor que, além de negar seu papel de funcionário público, trata os milhares de brasileiros que servem a esse país com expressões brutais, agressivas e...

Funcionalismo: Laboratório Inova Na Gestão De Pessoal Do Setor Público Federal

O Dia     -     17/

05/2020

Iniciativa de secretaria do Ministério da Economia busca soluções para melhorar a experiência dos servidores públicos e a prestação de serviços à população

Inovação. Essa é a proposta trazida por servidores federais na busca por melhores experiências no dia a dia em suas funções. E é por meio do 'La-bora! gov', um laboratório idealizado por funcionários públicos, e criado pela Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal (SGP) do Ministério da Economia, que eles colocam 'de pé' essa ideia e encontram soluções para demandas internas. 

A iniciativa, que promove a modernização da administração pública, está em desenvolvimento desde janeiro deste ano. Diferentemente de grande parte dos laboratórios de inovação existentes, que têm como foco o usuário cidadão, o La-bora! gov está voltado para o público interno. Ou seja, para os servidores. 

O laboratório é formado por funcionários públicos e funciona com a participação ativa deles. Na prática, eles...


quarta-feira, 13 de maio de 2020

Pesquisa Vai Avaliar Experiência De Servidores Federais Com O Trabalho Remoto

BSPF     -     13/05/2020

Todos os servidores públicos federais do Poder Executivo receberam um questionário que pretende avaliar a experiência desses profissionais com o trabalho remoto durante a pandemia do novo coronavírus. 

O formulário foi enviado por meio de um sistema interno da Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal do Ministério da Economia. Segundo a pasta, devido ao cenário de isolamento social, cerca de 50% dos servidores públicos federais estão trabalhando de casa. 

A pesquisa faz parte de um estudo internacional e de acordo com o Ministério da Economia, tem maior foco no Brasil, Estados Unidos e Israel. 

A participação dos servidores é anônima e voluntária. O tempo para responder é cerca de 15 minutos. 

A expectativa é que os resultados contribuam para a formatação de políticas públicas futuras de trabalho a distância e para a análise do impacto ambiental do trabalho remoto, considerando a diminuição do trânsito de veículos nas cidades, por exemplo. 

A aplicação do questionário tem apoio da Enap - Escola Nacional de Administração Pública. 

O governo brasileiro terá acesso aos dados compilados da pesquisa, agregados e com recortes específicos, de acordo com a realidade dos servidores brasileiros. O Governo Federal também poderá compartilhar dados e experiências com os demais países participantes.

Fonte: Rádio Agência nacional - EBC

Balanço Registra 48,62% Dos Servidores Em Trabalho Remoto E 827 Casos Confirmados

BSPF     -     13/05/202
Os dados são 

da semana de 4 a 8 de maio coletados junto às unidades de gestão de pessoas dos servidores públicos federais civis

A Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal (SGP) do Ministério da Economia atualizou as informações coletadas na pesquisa sobre o trabalho remoto e casos confirmados da COVID-19 no âmbito do Poder Executivo Federal Civil. 

Dados coletados na semana de 4 a 8 de maio apontam 48,62% dos servidores públicos federais civis trabalhando em casa. Os casos confirmados de COVID-19 registrados no sistema são de 827. 

Esses números não incluem a Rede de Ensino Federal (universidades, institutos e demais instituições de ensino federais) – uma vez que o Ministério da Educação divulga o retrato da situação dessas instituições por meio do portal http://portal.mec.gov.br/coronavirus/

Excetuando-se a Rede de Ensino Federal (REF), mais da metade (56,15%) das unidades administrativas de gestão de pessoas encaminharam os dados à SGP referentes à semana de 4 a 8 de maio. Essa parcela representa 177,5 mil servidores ativos, ou 31,12% do total da força de trabalho no Poder Executivo Federal Civil. Sem considerar a REF, esse montante representa 64,06% dos servidores públicos federais. 

Engajamento 

A Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal tem reforçado às unidades gestoras dos órgãos e entidades da Administração Pública Federal a importância do engajamento na atualização semanal dos dados, por meio da ferramenta online que foi disponibilizada. 

A SGP também mantém a Campanha #contecomigo #suavizeacurva. Toda semana, os cerca de 600 mil servidores públicos federais recebem mensagens de motivação, dicas para o trabalho remoto e de saúde e bem estar. Na página virtual da Campanha também estão todas as instruções normativas já publicadas com as orientações sobre a gestão de pessoal durante o período de isolamento social.

Fonte: Ministério da Economia - Portal do Servidor

Covid-19: Governo Comprará Equipamentos Para Garantir Segurança De Policiais E Agentes

BSPF     -     12/05/2020

Além da União, medida visa atender órgãos de segurança pública dos estados e municípios durante a pandemia

Para garantir a segurança das operações do sistema prisional e da segurança pública durante o período de pandemia do novo coronavírus, o governo federal investirá em torno de R$ 69,1 milhões em compras de equipamentos de segurança individual (EPIs). O Ministério da Economia, por meio da Central de Compras, vai atuar como centralizador da aquisição, que visa atender diversos órgãos de segurança pública da União, estados, Distrito Federal e municípios, por meio de uma única contratação. Serão adquiridos itens como luvas, álcool em gel, óculos de proteção, sapatilhas descartáveis e máscaras. 

Segundo o secretário de Gestão, Cristiano Heckert, o Ministério da Justiça e Segurança Pública realizou levantamento considerando as necessidades para os agentes operacionais com atuação em campo. “Será um grande volume de materiais, que visa atender Polícia Federal, Polícia Rodoviária Federal, Departamento Penitenciário Nacional, polícias militares, civis, bombeiros, agentes prisionais e guardas municipais”, destaca. Tomando por base a composição dos órgãos responsáveis pela prestação do serviço de segurança pública, serão atendidos 850 mil agentes de segurança, 110 mil agentes penitenciários e 700 mil encarcerados. 

O Ministério da Justiça e Segurança Pública será responsável por articular junto aos estados, Distrito Federal e municípios o recebimento do material. A aquisição visa atender o correspondente a 45 dias de operação. A medida é resultado de um conjunto de adaptações aos procedimentos de contratações públicas para torná-las mais ágeis. O Governo Federal já investiu mais de R$ 1,77 bilhão em compras públicas no combate à Covid-19 desde o dia 6 de fevereiro. A possibilidade de compra destes insumos, via dispensa de licitação, foi estabelecida pela Lei nº 13.979/2020. Mais de 3.117 dispensas foram realizadas até o momento desde a publicação da lei.

Mais informações podem ser obtidas no Chamamento Público

Fonte: Ministério da Economia

Servidores Federais Ganham Mais De R$ 40 Mil


Band Notícias     -     12/05/2020
Um levantamento realizado pela Rádio Bandeirantes apontou que 1230 servidores federais recebendo salários acima do teto de R$ 39.293. Neste momento, mais de 600 salários estão em decisão judicial para ver se continuarão sendo pagos ou não.

Assista aqui à reportagem completa

Presença Online De Órgãos Públicos Está Em Alta, Revela Pesquisa

Agência Brasil     -     12/05/2020

Interação em tempo real para atendimentos, entretanto, ainda é baixa

Brasília - Os órgãos públicos federais, estaduais e municipais aumentaram a presença na Internet, por meio de sites e perfis em redes sociais. Mas o uso de outras ferramentas, como mecanismos de interação em tempo real, ainda é baixo. Essas instituições ainda precisam avançar também no emprego de tecnologias digitais para conexão e processamento de suas atividades.

É o que mostra a pesquisa TIC Governo Eletrônico 2019, divulgada hoje pelo Centro Regional de Estudos para o Desenvolvimento da Sociedade da Informação (Cetic.br) do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), vinculado ao Comitê Gestor da Internet. O estudo analisou a presença na Web e o uso de tecnologias digitais por governos, parlamentos e órgãos do Judiciário nas três esferas federativas.

Os websites são utilizados por 95% dos entrevistados. Na esfera federal, todos os órgãos já possuem páginas próprias. Já na estadual, o índice é de 94%. Na esfera municipal, entre 100% e 95%, a depender do número de cidadãos. Já os perfis em redes sociais foram criados por 85% das instituições consultadas, sendo 99% nas federais e 83% nas estaduais.

Em relação ao tipo de rede social, as mais populares são Facebook e Yahoo (79%), publicadores de fotos e vídeos como Flickr, Snapchat e Periscope (64%), Youtube ou Vimeo (50%), Twitter (50%), Whatsapp ou Telegram (28%) e blogs em plataformas como Wordpress, Blogspot ou Medium (16%).

Nesses canais, as atividades mais comuns são a publicação de notícias sobre o órgão (98% na esfera federal e 95% na estadual), divulgar serviços ou campanhas (97%, 91% e ) e responder a comentários e dúvidas dos cidadãos (87% e 82%). A interação online se dá, sobretudo, por e-mail (98% nos entes federais, 95% nos estaduais e 95% para municipais). Em seguida vêm mecanismos de acesso à informação (90%, 64% e 71%), denúncias online (80%, 61% e 62%) e formulário eletrônico (76%, 59% e 68%).

Mas formas mais interativas ainda são recursos pouco populares. Os atendimentos em tempo real por chats aparecem somente em 8% dos órgãos na esfera federal e 5% na estadual. Os assistentes virtuais, que usam robôs (chatbots), são utilizados por 9% e 6%, respectivamente.

Conectividade e novas tecnologias

Entre os órgãos públicos estaduais, a conexão via fibra ótica, a infraestrutura mais robusta, subiu de 85% para 94% entre 2015 e 2019. A por modem 3G ou 4G ainda é presente, saindo de 54% para 47% no mesmo período. Nas prefeituras, esta tecnologia saiu de 30% para 73% em quatro anos.

Novas tecnologias digitais ainda não são aplicadas pela maioria. Os e-mails em nuvem são adotados por 36%, o armazenamento de dados em nuvem por 24%, softwares de escritório em nuvem por 20% e o processamento de informações na nuvem por 18%. O termo “nuvem” se refere a serviços ofertados por empresas nos quais os dados são armazenados em um servidor e acessados via Internet.

As análises de sistemas inteligentes de grandes quantidades de dados, o chamado Big Data, são realizadas por 23% dos órgãos consultados. Mas o nível varia por tipo de Poder: o índice é de 62% no Ministério Público, 55% no Legislativo, 26% no Judiciário e 20% no Executivo. No recorte por ente, 32% das instituições utilizam na esfera federal e 22% na estadual.

Por Jonas Valente

Paulo Guedes Defende Congelamento Salarial E Afirma Que “Promoções” Estão Mantidas


BSPF     -     12/05/2020
Em conferência via internet no último sábado, o ministro da Economia, Paulo Guedes afirmou que os servidores públicos precisam dar sua cota de “contribuição” para que o país possa se recuperar da crise causada pela pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), não reivindicando reajuste salarial pelos próximos anos. Na ocasião, Guedes afirmou também que, no entanto, as “promoções” estão mantidas. 

“A promoção segue normal. Uma promoção não é um aumento generalizado de salários, é simplesmente uma promoção”, afirmou o titular da Economia, ressaltando que está pedindo que sejam suspensos “apenas os aumentos”. 

Vale lembrar que o Projeto de Lei Complementar (PLP) 39/2020, recém-aprovado pelo Congresso Nacional e em vias de sanção presidencial, prevê o congelamento remuneratório até dezembro de 2021. As assessorias jurídicas do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate) e do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe) aguardam o texto sancionado para avaliar os termos e a possibilidade de ajuizamento.

Fonte: Sinal - Apito Brasil