Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

terça-feira, 19 de janeiro de 2010

Deputada denuncia mortes por DDT no Congresso e cobra exames e indenização

Deputada denuncia mortes por DDT no Congresso e cobra exames e indenização
jornal a Gazeta de 08.08.08

HASSEM NETO

Especial para A GAZETA


Quando o governo decidiu proibir o uso do DDT e Malathion no Brasil, na década de 70, inegavelmente admitiu que esta substância altamente tóxica estava causando sérios danos à saúde pública. Nada mais justo que agora, diante de fartas evidências, o Estado reconheça sua obrigação de indenizar os guardas da extinta Sucam. A cobrança mais enfática por providências está sendo feita pela deputada federal Perpétua Almeida (PCdoB), que foi atendida já na próxima semana na proposta de criar uma comissão externa para levantar todos os casos existentes na Amazônia. Perpétua fez um apelo às bancadas do Norte em Brasília, para que a incidência de contaminações por estado seja, finalmente, conhecida.



A intenção é levar as ocorrências, devidamente tabuladas, ao conhecimento do presidente da República. Seria o primeiro grande apelo nacional por justiça. Um grupo de deputados já se mobiliza para visitar os 9 estados da região. A expedição terá atribuições respaldadas pela Comissão da Amazônia da Câmara Federal e tentará encerrar um longo período - mais de 16 anos - de omissão e indiferença do governo com o sofrimento de milhares de famílias.



Acre: 40 mortes e centenas de doentes

Não se sabe quantas pes-soas convalescem sem perspectivas de melhora no país. Muitos, no entanto, morrem com sintomatologias comprovadamente decorrentes da exposição direta ao inseticida.

Somente no Acre, 40 ex-guardas já faleceram em conseqüência da contaminação, 12 ficaram mutilados e 11 estão com suspeita de câncer. Outros 12 têm problemas cardiovasculares e o restante aguarda a oportunidade de fazer os exames. Os dados são oficiais e foram confirmados pela associação de servidores contagiados, representada pelo ex-servidor público Aldo Moura da Silva, que estima em 500 o número de acreanos a serviço da Sucam naquela época. “Não vejo outro momento de implorar por justiça. Tem que ser agora. É realmente uma situação muito difícil”, diz ele.

Audiência pública - Ao ministro da Secretaria Especial de Direitos Humanos, Paulo de Tarso Vanucci, e ao presidente da Funasa, Francisco Danilo Bastos Fortes, caberá explicar, no Congresso Nacional, quais as medidas o governo pretende adotar daqui para frente. Deles é esperada uma proposta de solução para o problema durante uma audiência pública que pode ocorrer ainda este mês, de acordo com requerimento de autoria da deputada Janete Capeberibe, aprovado na última quarta-feira na Comissão de Direitos Humanos. “Não haverá justiça neste caso se todas as pessoas contaminadas na Amazônia não forem atendidas”, alertou Janete Capeberibe.

Cobrança -Simultaneamente à aprovação do requerimento, em pronunciamento, Perpétua Almeida sugeriu que governo assuma a responsabilidade de fazer exames para diagnosticar o teor de DDT no organismo destas pessoas. A deputada também quer ouvir vítimas dos efeitos acumulativos do inseticida, além de um especialista, possivelmente ligado à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

A Gazeta - O pedido de providência via Câmara Federal também foi motivado por uma reportagem especial assinada pelo jornalista Silvio Martinello, publicada na edição de terça-feira (5) de A GAZETA. A matéria, contando o drama de algumas vítimas, foi mostrada e distribuída às bancadas de todo o país no plenário da casa, durante pronunciamento da deputada Perpétua Almeida, que elogiou a iniciativa do jornal e a abordagem “profissionalmente correta” sobre o tema. A reportagem havia registrado a morte, no último sábado, de ex-servidor público José Lacerda, que atuava no enfrentamento aos vetores transmissores da malária. Lacerda foi a quadragésima vítima da contaminação por DDT no Acre.



Mais conhecidos como mata-mosquitos, eles trabalhavam sem os equipamentos de proteção individuais que somente a partir dos últimos anos passaram a ser utilizados pelos atuais agentes de endemias. Todas as vítimas apresentam sérios danos neurológicos, respiratórios e cardiovasculares.



Negligência - “O Estado negligenciou ao longo desses anos. Ou o poder público manda examinar estas pessoas, ou o sentimento de impunidade e injustiça prevalecerá, e isso nós não iremos permitir mais”, disse a deputada, que no último final de semana acompanhou pessoalmente o martírio de alguns contaminados por DDT. Eles estão internados em hospitais públicos. Outros que fizeram exame por conta própria obtiveram respostas desagradáveis quanto ao nível de contaminação. Em média, como ocorre com os demais pacientes, os microgramas de DDT por decilitros de sangue estão até 60% acima do aceitável pela Organização Mundial de Saúde.

Reação - Após o apelo feito pela deputada, veiculado em tempo real pela TV Câmara, dona Maria de Lourdes, que se identificou como habitante de Rondônia, informou que um exame feito em seu esposo, um ex-mata-mosquito, “deu positivo para pesticida”. Num email enviado ao gabinete da deputada, Maria de Lourdes explica que o DDT total registrado foi de 6,17% ug/dl, enquanto o recomendado pela Organização Mundial de Saúde é de, no máximo, 3% ug/dl. “Espero que a senhora (deputada) faça mais alertas como este aos nossos governantes. Não desista. Os ex-funcioná-rios da Sucam deram seu sangue e agora estão morrendo”, disse.

Exposição ao risco - “Naquela época, durante as borrifações, não havia máscaras. Quando havia macacões, estes eram compartilhados com os outros colegas. E depois eram levados para casa, para serem lavados pelas esposas que também eram contaminadas. O alojamento dos mata-mosquitos era o mesmo espaço usado pelo governo à época para estocar o DDT. O balde usado na dissolução do inseticida era o mesmo para carregar a água de beber. E ninguém jamais alertou esses homens do risco de morte que eles estavam correndo”, desabafou o Cedício Vasconcelos, do sindicato dos servidores federais do Pará. Ele reuniu com a deputada na tarde da última terça-feira e informou que a entidade paraense contabilizou mais de 450 casos até então, dos quais 45 óbitos. Lá, especialmente no sul do estado, são movidas ações coletivas na Justiça pedindo que seja declarado o direito a indenizações por acidente de trabalho. Estranhamente, conta ele, as primeiras reclamações começaram a surgir na imprensa local 11 anos atrás, num prenúncio de que a desinformação sobre a origem dos sintomas é quase total. A indignação das famílias, diz Cedício, aumentou com os argumentos apresentados por algumas instâncias governamentais para não indenizar as vítimas: o de que as seqüelas seriam resultado de uma vida desregrada, baseada no fumo, ingestão de álcool e sedentarismo. “De forma alguma nós concordamos com isso”, disse.

Histórico - O DDT faz parte de um grupo de substâncias químicas de alta periculosidade, que não se decompõem e podem ser transportadas pelo ar e pela água. Há muitos países em que o uso do DDT é vedado. Os EUA baniram sua utilização em 1973. Tornou-se um dos mais conhecidos inseticidas de baixo custo. Começou a ser utilizado na Segunda Guerra Mundial para eliminar insetos e combater as doenças emitidas por eles como a Malária, Tifo e Febre amarela, era usado também por fazendeiros para controlar pestes agrícolas.

Peste - O inseticida demora de 4 a 30 anos para se degradar. O principal problema é sua ação indiscriminada, que atinge tanto as pragas quanto o resto da fauna e flora da área afetada, além de se infiltrar na água contaminando os mananciais e interrompe o equilíbrio natural no meio ambiente. Dentre os malefícios causados por ele está o enfraquecimento das cascas de ovos das aves, envenenamento de alimentos como carnes e peixes.

Postado por Raimundo Accioly às 05:07:00


गुअर्दा डा एक्स सुकाम दोस एनोस  दे  1986

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############