Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

quarta-feira, 4 de abril de 2012

DENGUE


INTRODUÇÃO


O Dengue é uma doença febril, aguda, de etiologia viral e de evolução favorável na forma clássica e grave quando se apresenta na forma hemorrágica.


O Vírus do Dengue é um arbovírus do gênero flavivírus pertencente à família Flaviviridae. São conhecidos quatro sorotipos: Den 1, Den 2, Den 3 e Den 4.


Os vetores são mosquitos do gênero Aedes, principalmente o Aedes aegypti e na Ásia, o Aedes albopictus é um vetor importante A transmissão se faz pela picada do mosquito Aedes aegypti, no ciclo homem - Aedes aegypti - homem, onde após um repasto de sangue infectado, o mosquito está apto a transmitir o vírus, depois de 8 a 12 dias de incubação extrínseca.


O período de incubação varia de 3 a 15 dias, sendo em média de 5 a 6 dias.

O período de transmissibilidade começa um dia antes do aparecimento da febre e vai até o 6° dia de doença.


O Dengue é hoje a mais importante arbovirose que afeta o homem e constituí-se em sério problema de saúde pública no mundo, especialmente nos países tropicais, onde as condições do meio ambiente favorecem o desenvolvimento e a proliferação do Aedes aegypti principal mosquito vetor.



No Brasil, a primeira epidemia documentada clínica e laboratorialmente, ocorreu em Boa Vista - Roraima em 1982. A partir de 1986, foram registradas epidemias em diversos estados, causadas pelo sorotipo Den 1. A introdução do sorotipo Den 2, foi detectada em 1990, no estado de Rio de Janeiro. Atualmente, existe transmissão de dengue em 25 estados, com circulação simultânea dos sorotipos Den 1 e Den 2 em 12 deles.



DEFINIÇÃO DE CASO SUSPEITO



Dengue Clássico: paciente que tenha doença febril aguda com duração máxima de 7 dias, acompanhada de pelo menos dois dos seguintes sintomas: cefaléia, dor retroorbital, mialgia, artralgia, prostração, exantema. Além desses sintomas, deve ter estado, nos últimos quinze dias, em área onde esteja ocorrendo transmissão de Dengue ou tenha a presença de Aedes aegypti.



Febre Hemorrágica de Dengue-FHD: é todo caso suspeito de Dengue Clássico que apresente também manifestações hemorrágicas, variando desde prova do laço positiva até fenômenos mais graves como hematêmese, melena e outros. A ocorrência de pacientes com manifestações hemorrágicas, acrescidas de sinais e sintomas de choque cardiovascular ( pulso arterial fino e rápido ou ausente, diminuição ou ausência de pressão arterial, pele fria e úmida, agitação), levam à suspeita de síndrome de choque.



DEFINIÇÃO DE CASO CONFIRMADO DE DENGUE CLÁSSICO



É o caso confirmado laboratorialmente. Em curso de um surto e/ou epidemia, a confirmação pode ser feita através de critérios clínico-epidemiológicos, exceto nos primeiros casos da área, que deverão ter confirmação laboratorial.



Febre Hemorrágica de Dengue-FHD: é o caso em que todos os critérios abaixo estão presentes:



Febre ou história de febre recente de 7 dias ou menos;



Trombocitopenia (< 100.000/mm3 ou menos);



Tendências hemorrágicas evidenciadas por um ou mais dos seguintes sinais:



prova do laço positiva, petéquias, equimoses ou púrpuras, e

sangramentos de mucosas, do trato gastrointestinal e outros;



extravasamento de plasma devido ao aumento de permeabilidade capilar, manifestado por:



- hematócrito apresentando um aumento de 20% sobre o basal na admissão ou queda do hematócrito em 20%, após o tratamento; ou presença de derrame pleural, ascite e hipoproteinemia.



DIAGNÓSTICO DIFERENCIAL



Por se tratar de uma virose com clínica inespecífica, o caso suspeito de dengue clássico pode ter como diagnóstico diferencial os seguintes agravos :infecções respiratórias ,sarampo , rubéola ,leptospirose , malária e outras viroses.



Diante do caso suspeito de FHD, o diagnóstico diferencial deve contemplar os seguintes agravos: malária por P.falciparum, febre amarela, hepatites infecciosas, meningoencefalites, pielonefrites, septicemias e outras febres hemorrágicas.



DIAGNÓSTICO LABORATORIAL



Exames específicos: a comprovação laboratorial das infecções pelo vírus do Dengue se faz pelo isolamento do agente ou pelo emprego de métodos sorológicos - demonstração de presença de anticorpos da classe IgM em uma única amostra de soro ou aumento do título de anticorpos IgG em amostras pareadas. (conversão sorológica).



Recomenda-se o uso do MAE-ELISA para fins de vigilância epidemiológica porque requer somente uma amostra de soro e a execução é simples e o resultado é rápido.



Coleta, Rotulagem, Conservação e Transporte das Amostras para diagnóstico laboratorial de Dengue.



TABELA 1



COLETA, ROTULAGEM, CONSERVAÇÃO E TRANSPORTE DAS AMOSTRAS



Tipo de Amostra Momento da Coleta Retração do Coágulo Armazenamento Transporte

Sangue



Fase Aguda

a-Isolamento



b-Diagnóstico Sorológico

1º - 5º dias 2 - 6 horas, 4ºC Soro a (-70ºC) Nitrogênio Líquido ou Gelo Seco

a partir do 7º dia 2 - 24 horas, temperatura ambiente Soro a (-20ºC) Gelo Seco ou Gelo Comum

Sangue



Fase Convalescente

Diagnóstico



Sorológico

14º - 30º dias 2 - 24 horas, temperatura ambiente Soro a (-20ºC) Gelo Seco ou Gelo Comum

Tecidos (óbitos)



a-Isolamento Viral



b-Histopatologia / Detecção de Antígeno

Tão Cedo quanto possível (ideal, 8 horas; no máximo, 24 horas após o óbito) (-70ºC) Nitrogênio Líquido ou Gelo Seco

À Temperatura ambiente





Epidemiológica e atenção ao doente



OBS: Não congelar o sangue total, nem encostar o frasco diretamente no gelo para evitar hemólise. Os tubos ou frascos encaminhados ao laboratório deverão ter rótulo com nome completo do paciente e data da coleta da amostra, preenchido a lápis para evitar que se torne ilegível ao contato com água.



Exames Inespecíficos



Dengue Clássic



Hemograma: a leucopenia é achado usual, embora possa ocorrer leucocitose. Pode estar presente linfocitose com atipia linfocitária. A trombocitopenia é observada ocasionalmente.



Febre Hemorrágica do Dengue - FHD.



Hemograma: a contagem de leucócitos é variável, podendo ocorrer desde leucopenia até leucocitose leve. A linfocitose com atipia linfocitária é um achado comum. Destacam-se a elevação do hematócrito e a trombocitopenia. ( contagem de plaquetas abaixo de 100.000/mm3).



Coagulograma: aumento nos tempos de protrombina, tromboplastina parcial e trombina. Diminuição de fibinogênio, protrombina, fator VIII, FATOR XII, antitrombina e antiplasmina.

Bioquímica: diminuição da albumina no sangue, albuminúria e discreto aumento dos testes de função hepática: TGO e TGP.



Se o paciente evoluiu ao óbito é obrigatória a coleta de fragmentos de tecidos (fígado, baço, pulmão, gânglios linfáticos) para isolamento do vírus.

CONDUTA FRENTE AO CASO



O Dengue é uma doença de notificação compulsória, portanto todo caso suspeito deve ser comunicado pela via mais rápida ao serviço de vigilância epidemiológica da Regional de Saúde, que repassará à Diretoria de Vigilância Epidemiológica, de acordo com o fluxo já estabelecido.



O caso suspeito de FHD deve ser notificado e comunicado imediatamente à Diretoria de Vigilância epidemiológica.



Diante de um caso suspeito de dengue:



notificar, de acordo com o fluxo estabelecido para o Estado (CID - 10 A -90);



examinar o paciente, coletar sangue para exames e encaminhar ao laboratório de referência;



investigar o caso para definir o local provável de infecção e preencher a Ficha de Investigação de Dengue;



realizar busca ativa de outros casos no local de residência, trabalho, passeio, etc, do paciente suspeito. Se a busca ativa e o resultado do exame laboratorial forem negativos, encerrar o caso. Se forem positivos, acionar o "alerta de epidemia": incrementar as atividades de Educação em Saúde (informar a população, mobilizando-a pra intensificar a destruição dos criadouros do Aedes; reunir com os serviços de saúde para discutir a estratégia de enfrentamento do problema);



intensificar as ações de combate ao vetor e alertar as autoridades locais de saúde para mobilização dos recursos necessários ao controle da situação.



TRATAMENTO



Dengue Clássico: Não há tratamento específico. A medicação é sintomática com analgésicos e antitérmicos (paracetamol e dipirona). Devem ser evitados os salicilatos, já que seu uso pode favorecer o aparecimento de manifestações hemorrágicas. Recomenda-se a ingestão de líquidos e repouso, além de orientar ao paciente e/ou familiares, quanto ao possível aparecimento de sinais de alerta da FHD e consequentemente, deve-se procurar a Unidade de Saúde imediatamente.



Febre Hemorrágica do Dengue - FHD: Os pacientes devem ser observados cuidadosamente para identificação dos primeiros sinais de choque. O período crítico será durante a transição da fase febril para a afebril, que geralmente ocorre após o terceiro dia de doença. Em casos menos graves, quando os vômitos ameaçarem causar desidratação ou acidose, ou houver sinais de hemoconcentração, a reidratação pode ser feita em nível ambulatorial.



Alguns SINAIS DE ALERTA precisam ser observados: dor abdominal intensa e continua, vômitos persistentes, hepatomegalia, dolorosa, derrames cavitários, sangramentos importantes, hipotensão arterial (PA sistólica < 80 mHg em < 5 anos; PA sistólica < 90mHg em > 5 anos), diminuição da pressão diferencial (PA sistólica - PA diastólica < 20 mHg), hipotensão postural ( PA sistólica sentido - PA sistólica em pé > 10 mHg); diminuição da diurese, agitação, letargia, pulso rápido e fraco, extremidades frias, cianose, diminuição brusca da temperatura corpórea associada a sudorese profusa, taquicardia, lipotimia e aumento repentino do hematócrito. Aos primeiros sinais de choque o paciente deve ser internado imediatamente para correção rápida de volumes de líquidos perdidos e da acidose.



Durante uma administração rápida de fluídos é particularmente importante estar atento a sinais de insuficiência cardíaca.



- MEDIDAS DE CONTROLE



A notificação dos casos suspeitos, a investigação do local provável de infecção, bem como a busca ativa de casos, são medidas importantes. A única garantia para que não exista o dengue é a ausência do vetor Aedes aehypti. A Organização Mundial de Saúde-OMS preconiza que há maior probabilidade de ser deflagrada uma epidemia quando os índices de infestação predial (número de imóveis com focos positivos de Aedes aegypti sobre o total de imóveis inspecionados vezes 100) estão acima de 5%. No entanto, não existe nível "limite" abaixo do qual se possa ter certeza de que não ocorrerão surtos de dengue. Em áreas com Aedes, o monitoramento do vetor deve ser realizado constantemente, para conhecer as áreas infestadas e desencadear as medidas de combate. Entre as medidas de combate constam:



Manejo ambiental: mudanças no meio ambiente que impeçam ou minimizem a propagação do vetor, evitando ou destruindo os criadouros potenciais do Aedes,



Controle químico: consiste em tratamento focal (elimina larvas), peri-focal (em pontos estratégicos de difícil acesso) e por ultra baixo volume (elimina alados). Este último deve ter uso restrito em epidemias, como forma complementar de interromper a transmissão de dengue, ou quando houver infestação predial acima de 5% em áreas com circulação comprovada de vírus;



Melhoria de saneamento básico;



Participação comunitária no sentido de evitar a infestação domiciliar do Aedes, através da redução de criadouros potenciais do vetor (saneamento domiciliar).



A Educação em Saúde e Participação Comunitária é um componente que deve ser promovido até que a comunidade adquira conhecimento e consciência do problema para que possa participar efetivamente. A população deve ser informada sobre a doença (modo de transmissão, quadro clínico, tratamento etc.), e sobre as medidas de prevenção e controle. Devem ser utilizados os meios de comunicação de massa pelo seu grande alcance e penetração social. Os mecanismos para estimular e manter a participação comunitária precisam ser definidos e adequados à realidade de cada localidade/município.



Diante de uma epidemia, adotar concomitantemente as seguintes medidas: organizar imediatamente a atenção médica pela Rede Básica de Saúde e divulgar as Unidades de Referência para casos graves; reorganizar o fluxo de informação para garantir o acompanhamento da curva epidêmica; analisar a distribuição espacial dos casos para orientar as medidas de controle; acompanhar os indicadores epidemiológicos (taxa de ataque, índices de mortalidade e letalidade) para conhecer a magnitude da epidemia e a qualidade da assistência médica. Após identificação do sorotipo circulante, usar o critério clínico-epidemiológico para a notificação de novos casos suspeitos; intensificar o combate ao Aedes; incrementar as atividades de educação em saúde.


Sede da Secretaria de Saúde - SES

Setor de Áreas Isoladas Norte - SAIN - Fim da Asa Norte

Bloco B - Cep: 70086 - 900 (antigo prédio da Câmara Legislativa)



Para tirar dúvidas ligue 160.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############