Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

terça-feira, 29 de julho de 2014

Servidores do IBGE decidem manter paralisação que já dura dois meses

*****PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL*****

Valor Econômico     -     29/07/2014


Mesmo com perspectiva de retomada de negociações com o governo, a greve dos servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que já dura dois meses, deve continuar “no mínimo” até o final da semana, na avaliação de Ana Magni, diretora-executiva do sindicato nacional dos servidores do instituto (ASSIBGE).


A sindicalista não descarta a possibilidade de o movimento prosseguir até depois disso. “A cada semana, avaliamos. Talvez a greve siga depois disso, se o resultado da negociação não for favorável.


Quem decide são os trabalhadores em suas assembleias de base, em cada Estado.” Procurado, o IBGE reiterou sua posição ao afirmar que a paralisação é “parcial”. Segundo o órgão, o movimento atinge 21 unidades estaduais e em torno de 9% dos 10,2 mil funcionários efetivos e temporários.


Ontem, as 21 unidades decidiram, em assembleia, permanecer em greve, segundo Ana. Até o momento, a greve provocou divulgação parcial de duas pesquisas; e adiamento na publicação de três levantamentos. Hoje, o sindicato fará ato em frente ao prédio do instituto . Segundo o sindicato não está descartado “acampar” às portas da sede, no Rio, semelhante ao que fizeram em frente ao Ministério do Planejamento, na semana passada.


Os grevistas já tiveram três encontros com o governo, disse Ana. As reuniões com a Secretaria de Relações de Trabalho no Serviço Público, do Ministério do Planejamento, ocorreram no dia 16 de junho e na quarta e sexta-feira da semana passada. Existe um compromisso de realização de uma reunião tripartite – sindicato, secretaria e IBGE – esta semana, segundo o sindicato.



Mas as rodadas de negociação não agradaram aos grevistas, segundo Ana. “O governo não atendeu nenhum ponto concretamente, nem negociou”, afirmou a sindicalista. “Existe proposta da direção do IBGE de grupo de trabalho interno para repensar carreira e salários e apresentarmos juntos proposta ao governo. Mas queremos o aval do governo, a sinalização de tratamento como o que somos: parte do Ministério do Planejamento“, disse.



A sindicalista não quis comentar percentual de adesão mencionado pelo instituto. Fonte que acompanha negociações disse que os grevistas preferem não falar sobre isso devido à liminar, concedida pelo Supremo Tribunal de Justiça (STJ) após pedido do IBGE, determinando efetivo mínimo de 70% de funcionários, durante a greve. Entre as reivindicações dos grevistas estão salários equivalentes aos de servidores que trabalham em órgãos federais e novos concursos públicos .

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############