Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

domingo, 23 de março de 2014

Classes cobram regulamentação do direito de greve

PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL



ALESSANDRA HORTO
O DIA     -     23/03/2014




Debate sobre a regulamentação do direito de greve do serviço público no país ganhou novo capítulo semana passada

Rio - O debate sobre a regulamentação do direito de greve do serviço público no país ganhou novo capítulo semana passada, quando o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, equiparou a atividade dos policiais federais à dos militares. A decisão indignou a categoria, que em contrapartida prometeu intensificar as manifestações até a Copa do Mundo.

O secretário-geral da Confederação dos Trabalhadores no Serviço Público Federal (Condsef), Josemilton Costa, explica que não é a primeira vez que uma decisão do Supremo cria constrangimento em uma classe. Além disso, segundo Costa, é comum o Poder Judiciário tomar decisões baseadas em normas da iniciativa privada.

“A rotina do setor público é completamente diferente do setor privado. Cria-se uma certa confusão por parte do STF para estabelecer parâmetros que sejam de acordo com a realidade do funcionalismo. Por exemplo, a característica da Polícia Federal é uma e a das Forças Armadas é outra. Mas o Supremos entendeu que não e uma classe inteira sofre”, argumenta Josemilton.

O líder sindical ainda é enfático ao declarar que “o governo federal aposta no conflito e não na negociação”. Outro erro apontado por ele é o texto que tramita no Congresso Nacional que regulamenta a greve. “Não houve qualquer conversa com as representações de classe. O governo que impor regras inimagináveis, como a manutenção dos serviços de algumas áreas em 60% ou 80%. Isso é, no mínimo, uma tentativa de enfraquecer o movimento. O nosso projeto está parado na Casa Civil desde o último ano do governo Lula”, diz.

Para o coordenador-geral da Fasubra (Federação de Sindicatos de Trabalhadores em Educação das Instituições Federais de Ensino Superior Públicas do Brasil), Paulo Henrique Rodrigues dos Santos, o Supremo Tribunal Federal é uma Corte conservadora. “O STF não se atualiza. Daqui a pouco também vão comparar vigilantes de universidades federais a policiais militares. O próprio nome já diz: somos servidores públicos. Temos por obrigação servir o ente público. É um regime diferente da iniciativa privada, relação em que um trabalhador assina um contrato com o patrão”, defende Paulo Henrique.

O presidente da Fenapef (Federação Nacional dos Policiais Federais), Jones Borges Leal, disse que “há muitos anos os servidores vivem uma insegurança jurídica em relação aos direitos trabalhistas, pois o governo se omite nas regulamentações.”

Devolução de corte

Funcionários públicos do PoderJudiciário Federal e do Ministério Público da União que participaram de greves entre 2009 e 2012 podem ser anistiados pelo governo. É o que está previsto no Projeto de Lei 6.093/13, do deputado Lucio Vieira Lima (PMDB-BA). O texto também determina a devolução dos cortes salariais sofridos no período, em no máximo 30 dias.

Alternativas

O parlamentar defende que, enquanto não houver lei própria para regulamentar o direito de greve no setor público, é necessário buscar caminhos para garantir que o funcionalismo continue na luta por melhorias condições de trabalho. “Servidores não devem sofrer quaisquer retaliações por parte dos gestores, sobretudo, na forma de descontos remuneratórios”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############