Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Senado livra 2.281 servidores de bater o ponto

Senado livra 2.281 servidores de bater o ponto


Correio Braziliense      - 


O número é equivalente a um terço dos funcionários da Casa. Para órgãos de controle, entidades de combate à corrupção e especialistas em gastos públicos, a regalia abre brechas a irregularidades. No Senado, um seleto grupo de 2.281 servidores — o equivalente a 34% do total — está dispensado de bater o ponto eletrônico, utilizado para verificar a assiduidade e a presença dos funcionários. Embora a prática não seja ilegal, órgãos de controle, o Ministério Público, entidades de combate à corrupção e especialistas em gastos públicos asseguram que a regalia favorece a abertura de brechas para irregularidades, como a existência de empregados fantasmas. A liberação é mais frequente nos gabinetes. Dos mais de 2,2 mil servidores sem a obrigação de bater ponto, 90% estão lotados nos escritórios dos senadores, seja em Brasília ou nos estados.

O ponto eletrônico foi instituído no Senado em 1º de abril de 2011, após o escândalo que revelou o pagamento de R$ 6,2 milhões em horas extras para 3.883 funcionários, entre janeiro e fevereiro de 2010, durante o recesso parlamentar. Entretanto, no mesmo dia em que o sistema passou a funcionar, foram criadas exceções à regra. Imediatamente, 1.060 servidores ficaram liberados de registrar presença, 363 a pedido dos senadores. Para Frederico Paiva, procurador da República no Distrito Federal, as brechas no sistema não geram apenas ônus ao erário: a falta de punições incentiva as irregularidades. "Não há interesse político para que essa situação mude. Quando sabemos de um caso, investigamos e até conseguimos provar, mas, às vezes, o máximo que se consegue é a exoneração. Em 10 anos, não conseguimos reaver nem um centavo da verba pública gasta com essa prática. A irregularidade acaba valendo a pena.

 A gente aqui fica enxugando gelo, dá sempre uma sensação de déjà vu", lamenta. O especialista em administração pública da Universidade de Brasília (UnB) José Matias-Pereira ressalta que a dispensa do ponto em si não configura ilegalidade, mas ele estranha o número de dispensas no Senado. "Ninguém tem dúvida de que, eventualmente, para um chefe de gabinete ou um servidor envolvido em atividades de apoio, é difícil exigir que ele cumpra ponto. Mas quando se tem um número significativo, de um terço, há uma janela aberta para proteger apadrinhados", argumenta. Já o coordenador do Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE), Márlon Reis, defende ser necessária a divulgação dos nomes dos servidores e dos motivos para as dispensas.

"Só assim saberemos se não há exageros. O Estado tem de assumir o protagonismo na divulgação dessas informações. A sociedade precisa saber", cobra. Procurado pela reportagem, o Senado não quis comentar o assunto. Dos 81 senadores, apenas dois não dispensam parte dos funcionários do gabinete de baterem ponto: Rodrigo Rollemberg (PSB) e Cristovam Buarque (PDT), ambos do Distrito Federal. "Estou surpreso que sou um dos únicos", diz o pedetista. Segundo Cristovam, que já adotou a prática no passado, a decisão de cobrar o ponto atualmente visa a evitar qualquer desconfiança. "Assim fica claro que não há fantasmas no meu gabinete." Além de cobrar o ponto, Cristovam proíbe os servidores de fazer hora extra. 

A única exceção é o motorista. Rollemberg não foi localizado para comentar o assunto. Câmara Enquanto o Senado lida com um ponto eletrônico seletivo, na Câmara o controle ainda engatinha. A presença dos 15,7 mil funcionários contratados pela Casa é registrado apenas em uma folha manual, e o cumprimento dos horários são observados somente pelos chefes diretos. O aparato eletrônico é utilizado apenas quando há sessão noturna, para marcar horas extras. Anunciado para funcionar integralmente em abril, o sistema está em fase de testes até hoje. O registro eletrônico dos horários de funcionários foi apontado nos últimos dois anos pelo Tribunal de Contas da União (TCU) e pelo Ministério Público Federal (MPF) como medida essencial para conter gastos e evitar a existência de funcionários fantasmas.

Em março passado, a Casa anunciou que implantaria o sistema para todos os horários e funcionários em abril, o que acarretaria economia de R$ 22 milhões por ano ao parlamento. Mas os primeiros testes começaram apenas em 5 de agosto. Por enquanto, somente 600 servidores efetivos registram a entrada, a saída e o horário de almoço de forma eletrônica. Pelo menos até setembro, os demais continuarão assinando manualmente a folha de ponto.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############