Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Rixa no Congresso ameaça o reajuste do funcionalismo

 




ALINE
SALGADO

O
DIA     -     22/12/2012





Briga
por rroyalties atrasa aprovação do orçamento. Sem ele, governo fica impedido de
dar aumento a servidores em janeiro


Rio
-  A obsessão da maioria parlamentar em pulverizar os royalties dos estados
produtores de petróleo levou ao impasse geral no Congresso Nacional, colocando
em risco até o reajuste para 2013 de 1,774 milhão de servidores da União. Pela
Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), se o orçamento não for sancionado pela
presidenta Dilma Rousseff até 31 de dezembro, o governo não poderá gastar as
receitas previstas para novos projetos, incluindo o aumento do
funcionalismo.


Segundo
a LDO, o Executivo só poderia gastar, pelos próximos 60 dias, 1/12 por mês, do
montante previsto para o Orçamento 2013, além dos fundos dos chamados ‘restos a
pagar’, relativos a orçamentos anteriores, com despesas essenciais. Entre elas,
o pagamento dos salários de funcionários públicos. Mas nada garante o pagamento
dos 15,8% de reajustes acordados, divididos em três parcelas, ao longo de três
anos, a partir de 2013.


De
acordo com a consultoria de orçamento da Câmara dos Deputados, os reajustes não
poderão ser concedidos enquanto o novo orçamento não for sancionado. Em termos
técnicos, a eficácia das leis de reajuste seriam suspensas, não gerando qualquer
direito para os servidores, até a sanção da lei orçamentária de
2013.


COMPROMISSO


Para
a Confederação dos Trabalhadores do Serviço Público (Condsef), no entanto, os
reajustes aprovados sob a forma de lei nas duas Casas, Câmara e Senado,
garantem
sim o compromisso com o funcionalismo.


Josemilton
Costa, secretário-geral da Condesef, alega que os aumentos estão garantidos,
inclusive retroativamente, já que preveem entrarem em vigor a partir de janeiro
de 2013. “Mesmo que o orçamento não seja aprovado até o dia 31, o governo tem
como lançar mão desses 1/12 dos R$4 trilhões do orçamento para pagar o
reajuste”.


TRÊS
ALTERNATIVAS PARA A SOLUÇÃO


O
Congresso terá do dia 26 a 31 de dezembro para aprovar o orçamento. Ontem, após
reunião com consultores legislativos do Senado, o relator-geral do orçamento,
senador Romero Jucá (PMDB-PR) disse que continua tentando uma saída para que o
Congresso vote o texto ainda neste ano. Segundo ele, há três alternativas:
convocar o Congresso durante o recesso; votar o orçamento na Comissão
Representativa, que é o grupo de parlamentares que representa a Câmara e o
Senado durante o recesso e é composta por oito senadores e 17 deputados
indicados pelos partidos; ou adiar a votação para
fevereiro.


Jucá
mostrou ainda preocupação quanto ao fato de o país ficar três meses sem
investimentos do governo e começar o ano sem o novo mínimo de R$674,95, que
consta do relatório aprovado pela Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos
e Fiscalização (CMO).


Repúdio
a José Sarney


A
Câmara dos Vereadores do Rio aprovou ontem uma moção de repúdio contra o
presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP). A ação foi assinada por 40 dos 51
vereadores.


À
frente do movimento, a vereadora Andrea Gouveia Vieira (PSDB) explicou que a
Câmara do Rio quer deixar claro o desacordo com a atitude pouco republicana do
senador, que tentou analisar três mil vetos em caráter de urgência e em um só
dia.


“Foi
absurda a forma como foi articulada a votação. Tudo para prejudicar o Rio de
Janeiro, de uma maneira inadmissível. Não foi difícil conseguir as assinaturas.
Até vereadores do PMDB apoiaram o movimento”, diz a
vereadora.


Novo
mínimo de R$ 674,96 garantido

O
adiamento da votação do Orçamento de 2013 não deve afetar o novo salário
mínimo.


Segundo
técnicos da Câmara, o aumento, previsto no parecer final da proposta
orçamentária — que eleva o mínimo para R$ 674,96, contra os atuais R$ 622 — deve
ser mantido pelo governo. Com isso, ficam garantidos também o aumento para 1º de
janeiro de 2013 dos aposentados e pensionistas do INSS que ganham o piso
previdenciário — que é igualado ao salário mínimo. Um decreto presidencial,
regulamentando o aumento, deve sair no início do ano.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############