Logomarca do portal

Logomarca do portal
Prezado leitor, o Portal do Servidor Publico do Brasil é um BLOG que seleciona e divulga notícias que são publicadas nos jornais e na internet, e que são de interesse dos servidores públicos de todo o Brasil. Todos os artigos e notícias publicados têm caráter meramente informativo e são de responsabilidade de seus autores e fontes, conforme citados nos links ao final de cada texto, não refletindo necessariamente a opinião deste site.

Bem vindo ao nosso Portal

Seja bem-vindo ao nosso site!!!


OS DESTEMIDOS GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO

OS DESTEMIDOS  GUARDAS DA EX. SUCAM / FUNASA / MS, CLAMA SOCORRO POR INTOXICAÇÃO
A situação é grave de todos os servidores da ex. Sucam dos Estados de Rondônia,Pará e Acre, que realizaram o exame toxicologicos, foram constatada a presença de compostos nocivos à saúde em níveis alarmantes. VEJA A NOSSA HISTÓRIA CONTEM FOTO E VÍDEO

SINDSEF RO

SINDSEF RO
SINDICATO DOS SERVIDORES PUBLICO DE RONDÔNIA

NOTÌCIAS DA CONDSEF

NOTÌCIAS DA CONDSEF
CONDSEF BRASIL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL

GRUPO DE VENDAS DE IMÓVEL
QUER COMPRAR OU VENDER É AQUI!!

GRUPO OFICIAL DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA

GRUPO OFICIAL  DO PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL: PARTICIPE TÁ NA HORA CERTA
Este Grupo quer reiterar a gratidão e o respeito que sempre dedicam ao serviço público. Respeito expresso no diálogo: faça porte dessa família CURTINDO NOSSO PÁGINA NO FACEBOOK

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...

A VOZ DO POVO NA TRIBUNA TEM PODER...
A VOZ DO POVO NA TRIBUNA

CAPESAUDE/CAPESESP

CAPESAUDE/CAPESESP
FOMULÁRIOS

Fale com a CAPESESP

Fale com a CAPESESP
ATEDIAMENTO VIRTUAR

TRANSIÇÃO DE GOVERNO 2018 2019

SELECIONE SEU IDIOMA AQUI.

quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Após greve, ações e apreensões da PF despencam no país

Após greve, ações e apreensões da PF despencam no país






Fernando Mello e Flávia Foreque

Folha de S. Paulo - 19/09/2012





Com a paralisação iniciada em 7 de agosto, houve apenas 13 ações policiais, contra uma média de 23 por mês até julho

Média de cocaína e maconha apreendidas por mês caiu para menos da metade da registrada até julho





BRASÍLIA - O número de operações da Polícia Federal e de apreensões de drogas despencou desde o início da paralisação de agentes, escrivães e papiloscopistas (especialistas em identificação), em 7 de agosto.





A categoria é a única ainda parada no funcionalismo federal, que no primeiro semestre fez uma onda de protestos.





A paralisação reduziu drasticamente o número de operações policiais. Em média, de janeiro a julho, foram 23 por mês; já em um mês e meio da greve, houve apenas 13.





No início do ano, o ritmo estava lento, mas o número disparou em seguida, com 33 ações em março, 38 em maio e 25 em julho. Após a greve, foram 9 em agosto e 4 neste mês.





Segundo os grevistas, o movimento causou ainda redução expressiva no número de drogas apreendidas, sobretudo nas fronteiras.





A média mensal de cocaína e maconha retidas no país, por exemplo, caiu para menos da metade da registrada de janeiro a julho.





No Paraná, em Mato Grosso do Sul e em Mato Grosso -Estados que concentram as maiores apreensões-, a PF apreendeu até julho, em média, 4.024 kg de cocaína e maconha por mês. Do início da paralisação até 5 de setembro, foram apenas 30,7 kg.





A queda de operações, dizem grevistas, prejudica investigações contra crimes como colarinho branco, lavagem de dinheiro e evasão de divisas.





"Para muita gente, é melhor a PF estar parada. Ela acaba prendendo pessoas envolvidas com o poder, que bancam campanhas de políticos. Parada, não vai prender esse tipo de gente", afirma Marcos Wink, presidente da Fenapef, federação que reúne agentes, escrivães e papiloscopistas.





A entidade não representa os delegados -carreira que ocupa postos de comando e que não fez greve.





Os grevistas afirmam que a situação pode piorar. Ontem, por exemplo, 150 policiais federais do Rio Grande do Sul entregaram os fones usados para acompanhar as escutas telefônicas.





A Fenapef afirma que há falta de disposição do governo em negociar, por isso a continuidade do movimento. Os grevistas não aceitaram o reajuste médio oferecido, de 15,8% em três anos.





Neste mês, a categoria já espera corte de ponto. Entre as reivindicações estão aumento de salário e reconhecimento de funções investigativas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADECEMOS A GENTILEZA DOS AUTORES QUE NOS BRINDAM COM OS SEUS PRECIOSOS COMENTÁRIOS.

##############PORTAL DO SERVIDOR PÚBLICO DO BRASIL##############